Kfir-C12-a

Por DanielSantoro

clippingUm Brigadeiro questionou e conseguiu parar a compra de caças Kfir para a FAA

O comandante das operações aéreas da Força Aérea Argentina- FAA e, terceiro na cadeia de comando, Major Brigadeiro Mario Roca, recusou-se a assinar o contrato para a compra de 14 caças Kfir com a empresa Israel Aerospace Industries (IAI), no valor de 360 milhões de dólares e, num ato de resistência pacífica, ele foi para a casa.

Roca explicou sua recusa ao chefe da FAA,  General Brigadeiro Mario Callejo, que apoia a compra e em seguida deixou o prédio de escritórios Condor e nunca mais voltou, revelaram fontes militares ao Clarin. Ele disse que a compra “não inclui o sistema de armas” e “apenas 6 aeronaves estariam equipadas com radar.” A oferta é para 14 caças supersônicos Kfir reciclados. Isso inclui 12 caças monoplaces e dois biplaces para o treinamento. O fato se deu “há mais de um mês atrás”, mas só se tornou conhecido ontem.

No entanto, o Governo só informou  que havia congelado a compra, com base em rigorosas questões técnicas, o que atrasou negócios .

Na terça-feira, o ministro da Defesa Agustín Rossi, deu uma outra versão dos motivos para o congelamento de compra. Ele explicou para a rádio Continental que “estamos trabalhando com a substituição do Mirage desde o início do meu mandato. Analisamos várias ofertas de caças F16 dos EUA, caças da China, passando pelo F1 espanhol e esta oferta dos israelenses, parece tecnicamente o mais próximo sob o ponto de vista técnico e econômico. São 360 milhões de dólares para uma frota de 14 aeronaves, com cinco anos de manutenção, com o compromisso de promover a venda do nosso Pampa em diferentes partes do mundo.” Mas “nós não vamos assinar o contrato. Vamos deixar tudo pronto para que o próximo presidente tome a decisão.”

Clarin consultou porta-vozes de Defesa e confirmou ontem  o congelamento por ” desconhecemos questionamentos internos no projeto da Força Aérea. A força aérea analisou e aprovou, apoiada por questões técnicas e de preço a compra do Kfir “.

O jornal do governo Ambito Financiero deu outra versão. Ele disse que o freio foi a recusa de Israel de incluir no contrato o compromisso de vender 30 aviões Pampa III. Vice-presidente da Comissão de Defesa, o radical Julio Martinez, havia relatado que a fábrica de aviões em Córdoba, gerido por La Campora, ainda não entregou os Pampas prometidos para março à Força Aérea e que o Pampa III “é uma mentira  tecnologic de Cristina”. Isso explica a resistência de Israel.

A decisão estratégica deste nível deve ser resolvida pelo próximo governo, embora os “K” tenham deixado o país sem caças supersônicos e um avião de transporte C-130 sem condições de voar.

Ambito Financiero havia informado que o contrato com a IAI iria ser assinado antes da votação, em 22 deste mês e até uma delegação israelense veio para isso a Buenos Aires. Também eles foram preparados contratos que em 11 de setembro a presidente Cristina Kirchner, através do Decreto 1775, tinha aprovado um adicional de $ 21.826.000 pesos. Faria um desembolso inicial de US$ 60 milhões após a assinatura do contrato e, em seguida, pagaria em parcelas. É uma despesa para vários anos, não só para o orçamento de 2016.

No entanto, na terça-feira o projeto Kfir parou antes de ser assinado. Nos meios militares circula em um documento não oficial, que o jornal teve acesso, com uma série de questionamentos técnicos de um setor da Força Aérea para a elaboração do contrato. Por exemplo, o motor de Kfir é um turbojato General Electric J79 e ele diz que é necessária a aprovação dos EUA à venda. Além disso, o “Inspeção de 800/1600 horas só pode ser realizada em Israel, que contradiz a transferência de tecnologia”.

“O programa é de 78 meses, mas as 6 primeiras aeronaves serão entregues no final dos primeiros 18 meses sem quaisquer armamento”.

Por fim, ele pergunta “quem apoia esta negociação de último momento e querem fazer do silêncio seu cúmplice?”.

TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO: DAN

FONTE: Clarin