LHD Turco

Logo NavantiaA Subsecretaria de Indústrias de Defesa (SSM), do Governo turco, anunciou em 27.12 que a Navantia e o estaleiro turco SEDEF foram selecionados para iniciar as negociações para a concepção e construção de um LHD e quatro embarcações de desembarque (LCM) para a Marinha turca.

A Navantia vai fornecer o projeto, transferência de tecnologia, equipamentos e assistência técnica para a construção local no SEDEF. Além do design, baseado no LHD  Juan Carlos I e das lanchas LCM -1E , o escopo de fornecimento da Navantia irá incluir uma série de equipamentos e sistemas, tais como motores, turbinas e Sistema Integrado de controle de Plataforma .

O projeto da Navantia foi selecionado devido já ter sido construído e testado pela Armada Espanhola , no caso de LHD  Juan Carlos I, sendo que outras duas embarcações semelhantes também foram construídas pela Navantia e entregues à Real Marinha Australiana , os LHD  Canberra  e  Adelaide.

Estima-se que este contrato irá fornecer aos estaleiros Fene-Ferrol e San Fernando-Puerto Real, cerca de 800 mil horas de trabalho,  50.000 horas para a Navantia sistemas e  28.000 horas para a Fábrica de motores .

Este contrato marca a entrada da Navantia no mercado turco, onde também está apresentando suas fragatas F- 100, e da sua consolidação como líder no mercado de LHD .

 

3 Comments

 

  1. 28/12/2013  16:29 by Vinicius Castro Responder

    A MB precisa de NAe e NPM.
    Um não cumpre com as tarefas do outro.
    Para saber mais, leia: http://www.defesaaereanaval.com.br/?p=11930

  2. 28/12/2013  15:21 by Sayd_Jarrad Responder

    Sempre fui a favor dos LHDs para a MB. Possuem empregos múltiplos e principalmente o seu custo é bem menor que um Mirabolante NAE.

    • 28/12/2013  18:44 by _RR_ Responder

      Sayd_Jarrad,

      A principal questão nesse caso diz respeito a aviação embarcada, em geral muito limitada no que diz respeito a asa fixa... As únicas aeronaves capazes de operar a contento desse tipo de navio hoje são os Harriers. E futuramente, somente será o F-35B... E ambas essas aeronaves são limitadas no que diz respeito a ataque ao solo. Não há também aeronaves de alerta aéreo antecipado de asa fixa que opere de um LHD, sendo essa tarefa possível de ser cumprida por helicópteros dedicados...

      Se o objetivo é projetar poder aéreo sobre terra e mar, somente um legítimo porta-aviões CATOBAR conseguiria isso de forma definitiva...

      LHDs podem até ser parte de um elemento de defesa aérea da frota ou executar operações ASuW e ASW, mas decisivamente o seu propósito é prover suporte e proteção a operações anfíbias...

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.