Por Igor Gielow

A proposta da Boeing para associar-se à Embraer não é restrita à área de aviação comercial. Inclui também a divisão de defesa da fabricante brasileira, segundo a Folha apurou junto a pessoas próximas da negociação.

Isso tornará a conversa ainda mais sensível politicamente, já que o governo brasileiro diz que vetará a perda de controle nacional da empresa devido à sua importância estratégica na área militar.

A gigante americana não tem um formato fechado de oferta. Trará à mesa exemplos de parceria na área militar que dão salvaguardas de soberania aos países.

No Reino Unido, a Boeing abriu uma unidade de defesa em 2008 e emprega mil pessoas. É listada com uma “contratada X”, por obedecer a uma série de requisitos de controle por parte do governo. Entre eles, ter sete altos funcionários se reportando à pasta da Defesa, inclusive dois diretores britânicos.

Na mão inversa, a empresa de defesa britânica BAE Systems abriu uma unidade nos EUA que obedece a critérios rígidos, para manter sigilo de informações militares.

Na Austrália, a Boeing tem sua maior operação externa, com 2.000 funcionários. Lá ela também está sujeita a controle governamental de dados sensíveis.

A especulação inicial de que a Boeing só estava interessada em adquirir a nova linha de jatos regionais da Embraer, a exemplo do que sua rival europeia Airbus havia feito em outubro com a canadense Bombardier.

A aviação executiva, ponto forte em modelos pequenos e médios da Embraer, também está na mira porque não é nicho da Boeing.

Ao acenar com uma parceria maior, mesmo sem controle acionário da Embraer, terá de convencer o governo de que decisões estratégicas brasileiras serão preservadas.

A posição da Embraer é única justamente devido à sua área de defesa responsável por quase 20% do faturamento da empresa (outros 20% na aviação executiva, o resto em jatos regionais).

Desde quando foi criada pelos militares em 1969, a Embraer tem relação umbilical com a Força Aérea, sua principal cliente de defesa mesmo após a privatização de 1994. A empresa participa de projetos estratégicos para o país: programas aeronáuticos militares sob demanda e, por meio de subsidiárias, desenha o controle de fronteiras do Exército, parte do reator do futuro submarino nuclear brasileiro e atua no mercado de satélites.

Assim, a reação do presidente Michel Temer após o anúncio das negociações, em 21 de dezembro, foi a de aprovar as conversas mas rejeitar qualquer perda de controle.

Detentora de uma “golden share”, ação especial herdada na privatização, a União pode vetar negócios. Quem quiser mais de 35% das ações, precisa de aval federal. O que realmente preocupa o governo são as questões estratégicas e o poder que o Congresso dos EUA terá sobre elas. É preciso, contudo, relativizar.

Primeiro, a estrutura acionária da empresa é pulverizada, e seus maiores investidores são estrangeiros.

Segundo, na prática o contribuinte brasileiro paga pela exportação aos EUA de um produto que gera renda a americanos. Cerca de 60% do valor de um avião regional da Embraer vem de componentes americanos. O BNDES financiou, de 2001 a 2016, US$ 14 bilhões em exportações de aviões montados no Brasil para os EUA. Se a preocupação dos militares sobre eventuais vetos de exportações pelo Congresso americano é legítima, não é inédita: a própria Embraer já teve venda à Venezuela do Super Tucano, avião cheio de partes importadas, vedada pelos EUA.

A inquietação se dá porque a área de defesa é celeiro de inovação na Embraer, com especialização compartilhada com os militares e transbordo para tecnologias civis.

ONDE ATUA A EMBRAER

AERONÁUTICA

Desenvolve o KC-390, vende e dá suporte ao Super Tucano, moderniza AMX e F-5

DEFESA DE FRONTEIRAS

Pela subsidiária Savis, desenvolve o sistema de controle de fronteiras do Exército, projeto de R$ 12 bi

ESPAÇO

Associada à Telebras na subsidiária Visiona, investe em satélites de comunicação

SUBMARINO NUCLEAR

Pela subsidiária Atech, desenvolve o sistema de controle do reator nuclear para submarino da Marinha

FONTE: Folha de SP

 

67 Comments

 

  1. 03/01/2018  13:10 by Guilherme Wiltgen Responder

    Tireless e Fabrício,
    Favor encerraram essa discussão e voltarem ao assunto em foco.
    Não vou liberar mais nenhum comentário que der continuidade a esse assunto, favor respeitarem os demais.
    Agradeço a cooperação dos dois.

  2. 03/01/2018  3:39 by Esteves Responder

    O negocio da Embraer e montar avião regional. A Embraer não terá sucesso competindo contra a gigante Airbus + Bombardier. Se não for a Boing a se juntar com a Embraer será outra. Como os norte americanos detém 60% das patentes será difícil encontrar quem faça negócio com a Embraer sem a aprovação dos americanos.

  3. 03/01/2018  3:32 by Esteves Responder

    O DAN publicou a entrevista concedida pelo Ozires Silva. Está tudo explicado na matéria. O DAN também já informou em outros matérias que o A29 e o KC390 são produtos desenvolvidos pela FAB e entregues para serem montados pela Embraer. Empresa de capital aberto como a Embraer não tem dono. Tem sócio.

  4. 03/01/2018  3:26 by Esteves Responder

    Os juízes Sergio Moro e Marcelo Bretas não trabalham na Embraer.

    • 03/01/2018  11:04 by Fabricio Tavares Responder

      Não. Eles trabalham na Boeing.

      • 03/01/2018  11:31 by HMS TIRELESS Responder

        Você tem como comprovar as ilações que profere contra Sérgio Moro e Marcelo Bretas? Aposto que não....

        • 03/01/2018  11:57 by Fabricio Tavares Responder

          No momento não, assim como agora não tenho como provar que você trabalha para o inimigo. Mas o tempo é o senhor da razão.

          • 03/01/2018  12:10 by HMS TIRELESS Responder

            Boa sorte! Você vai precisar! Quanto ao tempo, não tem nada a ver com delírios conspiracionistas e acusações infundadas de quem foi pego praticando malfeitos em desfavor do Estado Brasileiro....

            • 03/01/2018  12:25 by Fabricio Tavares Responder

              Por quê? Vai me dedar pro patrão? Se eu precisar ir atrás da exceção da verdade, saiba que tenho gente muito bem relacionada para me ajudar.

              • 03/01/2018  12:57 by HMS TIRELESS Responder

                Além de ameaçar você também é dado a uma carteirada meu caro? Que coisa feia, apelando para a famosa meganhagem! Mas pode ir atrás da sua "exceção da verdade" afinal não apenas vai perder seu tempo como o da sua "gente muito bem relacionada". E a depender da sandice que cometer ainda poderá ser processado....

        • 03/01/2018  13:42 by Edson Responder

          Olha, quem tem isso é um tal de Tacla Duran . . . e isso vai ficar cada vez mais claro . . .

          • 03/01/2018  13:57 by HMS TIRELESS Responder

            O foragido da justiça? Aquele que fez um monte de acusações apenas na base do "ouvi dizer"? Primeiro ele precisa se apresentar à justiça e largar de se esconder atrás da saia da dupla cidadania....

  5. 03/01/2018  3:17 by Esteves Responder

    Os programas estratégicos e os produtos militares montados pela Embraer pertencem a FAB. Os projetos e seus respectivos produtos como o A29 e o KC390 são de propriedade industrial e intelectual da FAB. A Embraer é uma montadora de aviões.

  6. 03/01/2018  3:11 by Esteves Responder

    Metade da Saab já pertenceu a GM. A GM é proprietária de centenas de patentes utilizadas nos produtos da Saab entre eles o Gripen. 60% de tudo que a Embraer monta pertence a empresas norte americanas como a GM e a Boing. 60% do A29 e do KC390 não pertence a Embraer.

  7. 03/01/2018  3:01 by Esteves Responder

    Os ativos brasileiros (empresas nacionais) estão com o valor muito baixo.

    A Embraer vale em torno de 5 bilhões e pode chegar a valer 15 ou 20 bilhões de dólares se sair o negócio com a Boing.

    A Mitsubishi manifestou o mesmo interesse da Boing mas não foi considerado. Chineses também sondam a Embraer.

  8. 03/01/2018  2:55 by Esteves Responder

    Caros,

    A Saab, fabricante do jato Gripen já pertenceu aos americanos da GM. Centenas de patentes de propriedade da GM são utilizadas pela Saab no Gripen e em outros produtos da empresa.

    A Carta de Intenções enviada pela Boing não será divulgada. Na entrevista do Ozires Silva, ficou praticamente entendido e quase que totalmente claro que o foco da Embraer e aviação regional. O negócio da Embraer e montar aviões regionais. Produtos militares como o A29 e o KC390 foram projetos e encomendas da FAB. A Embraer aguarda o pedido (e o dinheiro) do governo brasileiro referente ao KC390. Se o governo brasileiro não pagar antes, não leva. Basta de calotes de Brasília.

    No Brasil existem 5.500 municípios. Pouco mais de 100 contam com aeroportos. A infra estrutura brasileira (portos, aeroportos, ferrovias e rodovias) está atrasada mais de 50 anos. O país precisa de investimentos e não tem (nunca teve) capital. Japoneses e chineses também sondaram a Embraer. 60% de tudo que a Embraer monta pertence a norte americanos como a GM e a Boing que detém patentes e propriedade industrial sobre a produção de centenas de indústrias entre elas a Saab.

    Os americanos não querem roubar nada. Também não querem invadir. Querem fazer negocio. Para fazer negócio grande precisa varrer a sujeira (corrupção) pra debaixo do tapete.

    O Brasil precisa de mais 500 Sergios Moro e outros 2 mil Marcelos Bretas pra julgar a maior quadrilha que ainda opera conhecida como Políticos Brasileiros de todos os partidos notadamente PT e PMDB.

    Sem passar esse país a limpo não sai negócio que presta.

  9. 03/01/2018  1:17 by Gil Responder

    A FADEA antes de ser essa porcaria era chamada FMA e foi comprada pelo norte americana LM, dai foi quando terminou de morrer e virou esse espectro de empresa aeronautica que hoje não fabrica nada.

    O teu exemplo vem perfeito para todo aquele que nao deseja cometer o mesmo erro dos Argentinos na era do entregista Menem, que deu de bandeja para fora todas as suas empresas estrategicas

    • 03/01/2018  1:18 by Gil Responder

      Digo: entreguista Menem

  10. 03/01/2018  1:13 by Gil Responder

    Esse papo de culpar a elite já não cola.
    Discordo completamente, muita gente que foi e é vereador, deputado estadual, deputado federal e senador não saiu propriamente da elite.

    Que culpa tem o Brasil se o povo que ele tem é maiormente semi analfabeto, sem educação familiar, violento, permissivo, corrupto e lacaio. (e que são demasiadas qualidades juntas)
    Recorda sempre a maxima que diz, que não existe governo indecente com povo decente.

  11. 02/01/2018  22:00 by Fábio Claro Responder

    Espero que não tenha comuna na negociação.

  12. 02/01/2018  19:30 by César Pereira Responder

    Se a Embraer fosse uma empresa que não fizesse uso de dinheiro público,e nem estivesse envolvida em programas relacionados á segurança nacional,ela poderia juntar com quem ela quisesse,mas a realidade não é essa, a Embraer mesmo privatizada recebeu tecnologia e financiamentos do BNDES ou seja ela foi muito beneficiada pelo Estado Brasileiro por isso ela cresceu desse jeito,caso contrário ela já tinha dado no pé ou até acabado de vez , essa é a razão da golden share ,salvaguardar os interesse e o dinheiro público,os executivos da Embraer sempre souberam disso,não é nenhuma novidade !
    Se a Boeing quiser absorver a Embraer ela terá que indenizar os imensos prejuízos que o Estado brasileiro terá ,para que o mesmo possa dar prosseguimento aos programas estratégicos como o KC-390 e o programa FX,entre outros ,aí tudo bem podem levar a empresa !

    • 02/01/2018  21:49 by BrunoFN Responder

      E é esse o ponto .. existe mt tempo e dinheiro investido nessa empresa ,.dinheiro publico .. fora programas super faturados q n deram em nada ao longa de décadas ... a titulo de ''investir na capacidade de uma empresa nacional ''...

  13. 02/01/2018  18:13 by Fabricio Tavares Responder

    Deve ser coincidência o fato de Donna Hrinak, embaixadora estadounidense no Brasil entre 2002 e 2004 ser a atual presidente da Boeing para América Latina e Caribe. Também deve ser coincidência a destruição deliberada da indústria de defesa brasileira, justo no momento em que ela se articulava com Odebrecht e outras empresas de infraestrutura. Só pode ser coincidência o fato de a esposa do "juiz" Sergio Moro ter advogado para a Shell, assim como são coincidências as superfrequentes viagens desse tal "juiz" aos EUA. Também tem de ser coincidência o fato do pai do tal "juiz" ser fundador do PSDB no Paraná. Do mesmo modo, deve ser coincidência que aquele outro "juiz" federal do RJ, Marcelo Bretas, tenha condenado o Almirante Othon a 43 anos de prisão.
    Finalmente, só pode ser uma coincidência de péssimo gosto que aqueles que tanto bateram panelas pela saída de Dilma agora assistem calados a tudo o que o governo usurpador vem fazendo. Para eles, o Brasil foi rapidamente reconduzido à posição de insignificância da qual nunca deveria ter saído. Nosso problema nunca foi "o povo brasileiro" - esse é justamente o nosso maior capital. Nosso calcanhar de Aquiles é uma elite que odeia seu povo, secundada por uma classe média rancorosa que pensa da mesma forma. Essas pessoas riem de um tal "Brasil putênfia" justamente porque creem que nosso destino é produzir commodities.

    • 03/01/2018  12:07 by HMS TIRELESS Responder

      - Ao contrário do Brasil, onde as pessoas querem sair da iniciativa privada e ingressar no serviço público, nos EUA se dá o oposto. E sendo a Boeing uma empresa que desde o FX-2 procura aumentar sua participação no mercado brasileiro e na latinoamericano, nada mais natural que a empresa contratasse uma profissional egressa do Departamento de Estado que conhece o país e a sua realidade. O mesmo movimento (de passagem do serviço público para a iniciativa privada) se dá em outros países como é o caso de Israel, onde oficiais egressos das IDFs são contratados pelas empresas locais do setor de defesa.
      .
      A "destruição" da indústria de defesa tupiniquim se deu justamente pela política de se colocar no setor as grandes empreiteiras. E o motivo das mesmas terem ingressado no setor foi para replicar ali os mesmos esquemas que há tempos já assaltavam o Estado Brasileiro, especialmente a Petrobrás. Ocorre que com a Lavajato e o posterior desmantelamento de tais redes de corrupção fez com que o oportunismo que caracterizava tais empreiteiras fizesse as mesmas se livrar das companhias da área de defesa que haviam criado. Por esse motivo a Mectron desapareceu e não por causa de alguma "ação orquestrada pelos países centrais"..
      .
      - Enquanto advogada, portanto profissional liberal, Rosângela Moro advoga para quem quiser desde que respeite as leis e o Estatuto da OAB. E as hipóteses de impedimento e suspeição de Sérgio Moro nos casos de atuação de sua mulher estão previstas nos códigos de processo civil e penal. Quanto às viagens do magistrado paranaense não apenas aos EUA como também à outros países como a Alemanha, devem-se ao fato do mesmo ser um dos maiores especialistas em delitos transnacionais como é o caso de lavagem de dinheiro. E no que diz respeito ao pai dele, podia militar em qualquer partido existente no Brasil afinal, ao contrário da Venezuela e de Cuba, somos uma democracia.
      .
      - Ao contrário do que certos meios jornalísticos alardeiam o VA Othon estava já há bastante tempo afastado do programa do submarino nuclear brasileiro, desde sua passagem para a reserva. E o juiz Marcelo Bretas o condenou a 43 anos de prisão em um processo onde foi lhe assegurado o contraditório, a ampla defesa e os recursos processuais cabíveis (tanto que conseguiu deslocar a competência do processo da 13ª Vara Federal de Curitiba para a 7ª Vara Federal do RJ) pelo fato do MPF ter conseguido demonstrar no feito que ele havia cometido uma série de crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e integrar organização criminosa. E tanto está tendo direito a um processo justo que pôde recorrer da sentença e obter o benefício da prisão domiciliar.
      .
      - As pessoas que foram às ruas protestar contra a presidenta incompetenta de então o foram pelo fato de a liberdade de opinião e manifestação ser uma garantia fundamental prevista na Carta Magna. E não estão protestando contra o atual presidente, que assumiu o cargo por estar na linha sucessória prevista na constituição, porque sabem que já estamos em ano de eleição presidencial.
      .
      Já que você falou em uma suposta "elite que odeia o seu povo", é interessante lembrar que a família Odebrecht recebeu de 2003 a 2016 US$ 31.7 bilhões de dólares do BNDES apenas para projetos no exterior. No período de 2006 a 2016 a família Batista, controladora da JBS, recebeu R$ 12.5 bilhões do BNDES em empréstimos e participação acionária do banco na empresa. Eike Batista, o homem do farsante "império X", recebeu R$ 13 bilhões do BNDES para não produzir uma mísera gota de petróleo. Não seriam eles integrantes dessa "elite"? Ou seriam "guerreiros do povo brasileiro"? Quanto à classe média, não custa lembrar que trata-se da maior pagadora de impostos do país.....
      .
      Por fim, cabe apenas lembrar que o "Brasil-...." é a repetição do "Brasil Grande" da época da ditadura militar. E como dizia Marx, a história se repete ora como farsa, ora como tragédia.....

      • 03/01/2018  12:21 by Fabricio Tavares Responder

        Tireless:

        Ao contrário de ti, não escondo minha identidade atrás de pseudônimos - aliás, aqui todos já sabem que tu não tens somente um, mas vários "nomes", e nenhum deles é verdadeiro. Também não tenho tempo de ficar replicando teus argumentos muito bem alinhados. Afinal de contas, você é um profissional que passa o dia inteiro bancando o troll, e possivelmente está assessorado para isso.

        Não vou responder teus argumentos também porque, como já afirmei alhures, contigo não se trata de convencimento. Contigo é guerra, pura e simples. Como um pombo enxadrista profissional, sei que cantarás vitória por isso, mas meu motivo é muito simples: todos sabemos que tua função é desviar o foco das pessoas e fazê-las perder seu tempo. Não vou te dar essa satisfação. E pode escrever o que te digo: tua hora vai chegar.

        • 03/01/2018  12:54 by HMS TIRELESS Responder

          Rindo muito, e rindo alto das suas ameaças! Nada como um rato que ruge para proporcionar alguma comédia....

          • 03/01/2018  12:59 by Fabricio Tavares Responder

            Rato? Não sou eu o covarde que esconde o próprio nome.

  14. 02/01/2018  15:32 by Athos França Responder

    Isto de querer área militar é estratégia de negociador. Estende-se a corda dos interesses até chegar no principal objetivo deles. É como o governo faz quando propõe uma reforma ou lei com bastante gordura para ir queimando até chegar no verdadeiro objetivo.

  15. 02/01/2018  15:11 by thiago Responder

    A nossa "fabricante" de helicopteros a Helibras é da Airbus, a tal transferencia de tecnologia que foi de nada para nada... Cade o mimimi? Afinal a Helibras é ou foi nacional?? Temos a Ael, desenvolvimentos eletronicos... Que pertence a Israelense Elbit. Nosso desenvolvimento tecnologico? Perdido? A Embraer vai decidir o que for melhor para ela, ou ela não sobrevive, os mercados estão ficando maiores, Airbus e Bombardier juntas, e no setor militar, KC-390, vamos esperar o sucesso do mesmo, pq o A-29 por mais que seja o melhor na função, já tem varios concorrentes, e se não se modernizar vai ficar para tras. O maior investidor na area de Defesa da Embraer é o Governo Federal, agora imagina esse mercado maior? Mais divulgação do KC-390, maior demonstração de podere versatilidade do A-29? Saab e Boeing estão juntas no T-x americano, acho que a mesma não veria com maus olhos essa união Embraer e Boeing. No Brasil, algum loucos defendem a estatização novamente, mas temos a FEDAE Argentina, que monta aeromodelos e algumas portas inclusive para o Kc, querem uma nova Petrobras para colocar os apadrinhados politicos e roubos. Esse negocio vai demorar muito a sair, e se sair podem ter certeza que vai ser o melhor para a Embraer, ela vai escolher isso, não pseudos especialistas no carta capital...

    • 02/01/2018  16:10 by BrunoFN Responder

      Uma fusão entre Embraer e Boeing saindo ..e dentro do programa 'FX-2''... . pra onde iria a transferência de tecnologias dos Caças Gripens ?

      • 02/01/2018  20:03 by Thiago Responder

        Vc acredita em transferencia total de tecnologia? Que vamos ficar independentes do dia para a noite? O que vamos fazer é montar aqui o Gripen, deve haver algo transferivel sim, mas não 100%, se quer ter, desenvolva. A Embraer vai montar os aviões do FX-2 e se governo comprar mais, vamos continuar montando e a tecnologia recebida vai ser implantada no setor civil!! Como as recebidas pelo projeto AMX... Depois, quem sabe, vem algo no setor militar dessa tecnologia.

        • 02/01/2018  21:38 by BrunoFN Responder

          Concordo q n exista transferência completa de tecnologias ... mas em parte ele existe sim e é por ela q e vamos pagar e vai sair caro , exatamente o mesmo exemplo do AMX e olha o ganho final pra Embraer .. isso n foi resultado dos ''acionistas'' ...mas tb nos n vamos simplesmente montar o caça aki .. vamos desenvolve-lo a nosso modo (a versão BR e um pouco diferente da versão sueca ) .. integrar sistemas ... acesso total ao código fonte .etc etc coisa q n teríamos com o F-18 por exemplo...o q por si so ja e um ganho absurdo...se a Embraer ''sumir'' pra onde iria tudo isso ? ... sendo a fusão o objetivo final .n ficamos com nada e provavelmente teríamos o cancelamento do FX-2 .(comprara algo de prateleira no fim ) .. pois n teria sentido nenhum investir bilhoes numa empresa na qual n temos nenhum tipo de controle ,voz ou mesmo algum compromisso com o Brasil ,com a possível fusão a tendencia e a Embraer é desaparecer ao mesmo tempo q a Boeing n deve investir nada no Brasil .... tudo q a SAAB tem a BOEING ja possui ...,imaginar q dessa '''fusão'' va surgir um ''Gripen Grawler'' por causa de uma possível fusão e simplesmente irreal ......e irracional
          quanto a uma ''parceria'' entre 2 gigantes .. tudo bem e torço por isso no fim , desde q bem negociado e claro, mas duvido q seja vontade da Boeing um acordo como '''iguais'' e nisso n me iludo ....o q temos hj e simplesmente uma oferta de compra .. e só , se aproveitando claramente de um momento político conturbado pela qual o pais vive

  16. 02/01/2018  15:07 by Athos França Responder

    Exemplo com Britânicos e Australianos não servem, porque eles são compadres com Canadá e Nova Zelândia.
    O modelo poderia ser apenas uma troca de ações e a criação de uma terceira empresa global representando as duas.
    E a Embraer sozinha poderia investir em fabricação de carros elétricos e voadores. ( fabrica brasileira de carros)
    A Honda começou com carros e agora vai de aviões e a Mitsubishi fabrica carros e agora vai de aviões também

  17. 02/01/2018  15:01 by Celso TS Responder

    A própria matéria mostra que é possível fazer acordos que preservam os interesses nacionais de ambas as partes. Além disso, é melhor vender bilhões para os americanos (mesmo que em parceria com a Boeing) do que milhões para os venezuelanos (que podem nos dar o cano). Imagino se os EUA decidissem comprar o KC-390 ...

  18. 02/01/2018  14:54 by Erichwolff Responder

    Putz, tá demais isso aqui...
    Teve um q disse q os americanos estavam preocupados como programa espacial brasileiro!!!
    Caraca, viaja demais...
    A única coisa no Brasil q eles se preocupam mesmo, my friend, é se o ap em copa ou Ipanema está locado pro carnaval e se as primas já estão todas avisadas...e olha lá!

  19. 02/01/2018  13:41 by BrunoFN Responder

    Essa venda n pode sair .. simples assim ,quanto a uma associação (mt bem negociada .. diga-se ) seria mt bem vinda e só ....mas esta clara a vontade por parte da Embraer q e fazer parte da ''Boeing'' ... minha única preocupação hj e tirar o q der de la o mais rápido possível , especialmente o projeto do Gripen .. simplesmente n se investe numa empresa q hj quer sumir ... e duvido mt q mesmo Gripen na mão da Embraer de hj dará algum fruto dessa transferência ou mesmo um esforço pra desenvolver o caça ,isso em relações a novas versões ou quem sabe vontade pra desenvolver um sucessor junto a SAAB ....imaginar q a Boeing va investir por aki e piada ,, pois n tem mt tempo ,no programa FX-2 , q mesmo o código fonte do F-18 foi vetado pra FAB , e se ate isso nos foi vetado ,imaginar algo alem disso e fora da realidade ....imaginar os EUA/congresso de la , enxergar algo de positivo ou mesmo pensar q uma parceria como ''iguais ''(EUAXBRA) nesse campo da aviação ..e q isso teria alguma peso geopolítico pra eles ... beira a ingenuidade .. a Boeing quer absorver a Embraer , n existe nada de positivo pro Brasil nisso , simples assim

  20. 02/01/2018  13:24 by FERNANDO Responder

    Sinceridade sou leigo no assunto.

    Temos que esperar para ver o que irá ocorrer e de qual forma irá afetar o Brasil e a Embraer.

  21. 02/01/2018  12:56 by nanogp2002 Responder

    Soberania Nacional pra que ?! Conhecimento tecnológico e inovação ? Mais fácil comprar pronto, vamos esquentar a cabeça se já tem pronto ? Vendeu o que dá certo e em troca, vamos recebendo o refugo, do refugo do refugo ...

  22. 02/01/2018  12:31 by Adriano Corrêa Responder

    O interesse dos USA é ter o total controlo dos incipiente projetos espaciais brasileiros.
    Para que fiquem apenas na incipiência.
    Da pra ver que os projetos de lançamentos espaciais é sempre muito mais controlados que mesmo a proliferação nuclear, muito mais.

    • 02/01/2018  13:07 by HMS TIRELESS Responder

      Talvez você prefira a EMBRAER como a FADEA argentina, que produz dois teco-teco todo ano....

      • 02/01/2018  17:06 by Canarinho Responder

        Não viaja cara, nada a ver. Ninguem aqui ta falando de re-estatizar, para de repetir mentiras e disvirtuar o topico. A Embraer vai continuar do jeito que esta, pode anotar, o governo nao vai permitir, nada que não sejam parcerias sem alterar o controle da empresa. Mas o proprio governo nao vai fazer isso não porque é patriota, mas porque os militares estão entrando com tudo nos bastidores para impedir que percamos nossa unica empresa que pode nos dar alguma autonomia industrial no setor de alta tecnologia. Alias os proprios executivos da Boeing ja deveriam prever essa reação.

      • 02/01/2018  20:37 by Leonardo Rodrigues Responder

        A ignorância é uma benção ou uma má intenção. A FADeA fez mais de 50 aeronaves desde sua fundação entre elas a primeira aeronave a jato no hemisfério sul. quando privatizada, no governo Ménen estava finalizando seu caça supersônico, mas os interesses externos prevaleceram. Privatizada, como Luckeed Martin nada fez além de modernizações nos A4 e Pucaras, mas reestatizada já começa a fabricar aeronaves de novo mesmo sendo agrícolas é uma vitória. Se houver boa fé precisa se informar mais sobre a industria aeroespacial hermana antes do entreguismo que faliu o governo austral.

        • 02/01/2018  23:41 by Thiago Responder

          E agora de volta a estatização, continua no nada... Cara não viaja, a FADEA hj é simplesmente uma fabrica de componentes aeronauticos e montadora. Os Argentinos estão comendo o pão que o diabo amassou dos antigos governos que afundaram o pais. Aceite! Tudo pra vcs é entreguismo, é isso ou aquilo, mas nunca estão satisfeitos, mimimi da p....

      • 02/01/2018  22:10 by Edson Responder

        TIRELES não é um nome verdadeiro né ? Te descobri hem Confúnio . . . .

      • 03/01/2018  1:21 by Gil Responder

        A minha resposta sobre a FADEA saiu erroneamente la encima.

  23. 02/01/2018  11:54 by HMS TIRELESS Responder

    Mais uma daquelas notícias que tem tudo para deixar ouriçados os arautos do atraso estatista. O que os incautos se esquecem é que a Boeing é uma das empresas líderes mundiais em defesa, com produtos únicos como é o caso do EA-18G Growler. Uma parceria entre a EMBRAER e a Boeing poderia render preciosos dividendos ao Brasil como talvez o auxílio no desenvolvimento de uma variante de guerra eletrônica do Gripen F ou a promoção do KC-390 junto às forças armadas dos EUA como contraponto ao C-130J. De igual forma também é preciso pensar no T-x, que foi desenvolvido com a SAAB, que em caso de eventual vitória da Boeing poderia ter componentes como os conjuntos das asas produzidos pela empresa brasileira

    • 02/01/2018  12:45 by jacó Responder

      Trouxa americano não dá ponto sem nó, le vai é acabar com a empresa nacinal que recebe recursos dos nossos impostos e impor a vontade do governo aamericano é melhor termos empresas pequenas mas nossas de não possuir nada no jogo mundial nos tornaremos peões e vassalo de um imperio decadente e falido que só rouba sobre o manto da honestidade e corrompe governos fantochas.

      • 02/01/2018  15:43 by HMS TIRELESS Responder

        O que eu disse para um serve para você: Talvez você prefira a EMBRAER como a FADEA argentina, "orgulhosamente" estatal mas que apenas produz dois tecos-teco por ano.....

    • 02/01/2018  13:38 by Zezin Responder

      O desinformado aqui parece ser você. A boing é estatal se vc não sabia assim como é a airbus. Vá se informar pra não falar mais besteiras.

      • 02/01/2018  14:57 by thiago Responder

        A Boeing e a Airbus são estatizadas? Cara, para... Ta engraçado demais!

      • 02/01/2018  15:46 by HMS TIRELESS Responder

        Talvez a "boing" seja estatal lá em Zamunda mas a BOEING, a empresa aerospacial dos EUA, é privada assim como a Airbus. Aliás, fosse a Boeing e a Airbus estatais jamais teriam chegado ao tamanho que chegaram. Minha vez de dizer: VÁ SE INFORMAR!

        • 02/01/2018  16:38 by BrunoFN Responder

          O ser '''privado'' e relativo quando se fala em uma empresa considera ''estratégica'' , e tudo uma relação de pareceria .. ou vc imagina uma oferta Chinesa pela BOEING ? capitalismo ne ? .... onde estaria Boeing sem o gov EUA , com investimentos e ''socorros'' ao longo de sua historia ? .. O q seria a Airbus sem a UE ? ... o q seria hj a Embraer sem o Brasil/BNDES ? SAAB sem o gov sueco? ,, BAE ? Dassault ? o q seria a Luckheed martin sem o trilhões de doletas investidos la ? acha mesmo q uma empresa dessas n esta sujeita a algum tipo de intervenção de respectivos governos .?ou q esta ''a venda''?.....ou ate mesmo q o sucesso deles se deve a ''visão'' dos ''acionistas'' e so ? me poupe ...na maioria das vezes o q se investe nessas empresas volta como produtos ou certas tecnologias '''patentes'' es a relação de parceria da qual falo .... e se isso esta em risco e dever de qualquer pais serio iria intervir quer o acionista gostando ou n ......absurdo ? mesmo na historia da industria EUA isso e mt mais comum do q vc imagina .. principalmente no setor aeroespacial e automotivo (historia recente diga-se) ....

    • 02/01/2018  16:28 by Jr Responder

      A maioria quase que absoluta dos produtos de defesa no portfólio da Boeing vieram da Mcdonald Douglas, da Boeing mesmo tem muito pouco. Lembrando que o departamento de defesa da Boeing tem um futuro bastante desafiador, o portfólio deles esta envelhecendo e eles perderam a disputa dos caças da força aérea e fuzileiros navais americanos para a Lockheed Martin com o seu F-35 e de forma mais surpreendente eles perderam o concurso para o próximo bombardeiro nuclear americano ( onde eles eram favoritos em um parceria com a Lockheed Martin) para a Northop Grumman , ou seja, a Boeing tem que ganhar sim ou sim a concorrência para o próximo treinador da USAF, se eles perderam a coisa vai ficar bem feia para o lado dela(esse é o último grande contrato para a USAF pelos próximos 10 anos)

    • 02/01/2018  17:15 by Canarinho Responder

      Tireless e o que seria essa parceria que vc diz? Em quais moldes e termos elas ocorreriam, quais seriam as clausulas do contrato? Tudo isso tem que ser considerado. A boeing tem uma tradição de aquisição de empresas e absorção das mesmas...

      • 02/01/2018  17:50 by HMS TIRELESS Responder

        Não me preocupo com a tomada de controle da EMBRAER pela Boeing em virtude do Golden Share do GF e do fato dos militares estarem atentos. Dito isso, e uma vez que o governo já declarou publicamente que irá usar a Golden Share, penso que uma Joint Venture, uma troca de ações ou a Boeing adquirindo algo em torno de 20% das ações da empresa é salutar.

  24. 02/01/2018  11:03 by Rafael Responder

    Alguém poderia fazer uma análise informando qual seria o modelo de negócio ideal para as duas empresas sem que a boeing seja dona da Embraer? Algumas alternativas que sejam boas prós dois lados sem que a Embraer passe pra controle efetivo americano! Por favor sem comentários políticos focar somente no negócio entre as empresas, grato a quem puder colaborar!

    • 02/01/2018  13:41 by Zezin Responder

      O modelo deve ser o estatal, com seriedade. Passa o controle pra FAB e ponto. E fica de olho nos milico se não eles roubam tambem, afinal são brasileiros natos

      • 02/01/2018  14:52 by thiago Responder

        Estatal né... Assim como na Argentina? Que agora só "fabrica" NADA! Estatiza de novo e será um novo cabide politico...

      • 02/01/2018  17:18 by Canarinho Responder

        Zezin, acredito que estatizar não seja a solução, talvez achar uma forma de aumentar a porcentagem de ações do governo na empresa seja interessante, através do BNDESPar. De qualquer forma a grande maioria das ações estarem em mãos de estrangeiros me incomoda.

    • 02/01/2018  21:42 by César Pereira Responder

      O melhor modelo de negócios seria uma joint venture, ou seja uma parceria entre empresas, onde a Embraer não corra risco de ser absorvida pela Boeing e extinta em seguida ! A parceria IDEAL deve ter por meta, aproximar os interesses comum das empresas sem prejudicar a autonomia de ambas !
      Mas pelo que vem sendo noticiado trata-se de uma compra por parte dos EUA da Embraer,uma operação que sem dúvida ira impactar muito o país no plano estratégico !

  25. 02/01/2018  10:42 by Tomcat3.7 Responder

    Este negócio não deve ser feito , temos muito a perder, sigilo sobre assuntos senciveis não significa que os dados e fatos não serão conhecidos tbm pelo titio Sam. No máximo alguma associação na área de aeronaves civis pois já há acordos em andamento no caso do A-29 e KC-390. No mais que a EMB se associe mais e mais com a SAAB e seus projetos.

  26. 02/01/2018  10:26 by J. Neto Responder

    Justificar a ingerência e ação externa em empresas estratégicas como desmantelamento do ramo militar nas diversa FFAA's é tentar explicar o inexplicável como a verdadeira ação de retirar do mercado, não as empresas sérias, mas os desmandos de verdadeiras quadrilhas que se aproveitaram daquele momento político e dilapidaram o patrimônio nacional. Infringiu a lei, que seja preso e pague sua pena, não interessa a patente, não damos alvará a bandido. O que se precisa é salvaguardar os interesses nacionais, DENTRO da lei e ordem econômica.

  27. 02/01/2018  10:01 by Wolfpack Responder

    O melhor que pode acontecer é uma troca de açōes entre as empresas,a. boeing compra 30-40% da Embraer e a Embraer compra 20-30% da Boeing.

    • 02/01/2018  13:43 by Zezin Responder

      Melhor resposta!!! existe gente pragmatica e não idiotizada pela disney

  28. 02/01/2018  9:40 by Brasil vencerá Responder

    As principais empresas estratégicas relacionadas com a defesa nacional estão sendo rapidamente dilaceradas....primeiramente, a Odebrecht Defesa & Segurança, onde respingou toda a desgraça das ações da lava jato sobre a Odebrecht...notar que importantes projetos relacionados com a defesa nacional estavam na mão desta empresa, principalmente parte de mísseis. O programa nuclear da marinha vem sendo constantemente torpedeado, através das ações sobre o programa de construção de submarinos e o caso othon. Sem contar as várias tentativas frustadas de tentar melar a compra do gripen, como por exemplo forçando renegociação de contrato na gestão jaques wagner junto à suécia...mas ainda não conseguiram atender os objetivos....Agora o caso embraer, que simplesmente concentra nesta empresas os principais projetos de defesa na parte...como ficaria o projeto gripen nesta fusão? o brasil deu um passo firme em fortalecer a sua defesa nacional, e esta claro que todas estas ações estão relacionadas com a tentativa globalista de enfraquecer a soberania dos países....com a bola o alto comando das FAAs e a força aérea se vão ceder a pressão externa e a omissão proposital de nossos governos

    • 02/01/2018  9:59 by Wolfpack Responder

      A Odebrecht Defesa & Segurança não tem nada de estratégica e foi criada pelo Sr Luiz Inacio Lula da Silva. Imposta sua criação. Quanto a Embraer se super valoriza a capacidade de desenvolvimento desta empresa. A Área militar é quase uma start-up, sendo o A29 e KC390 seus únicos produtos. É fundamental claro a ex brigadeiros e pessoal do ITA, mas não como as pessoas pensam, um vale do silicio, um polo desenvolvedor de tecnologias e patentes. É sim uma integradora de tecnologias desenvolvidas por seus fornecedores. Quando se fala de Embraer e Petrobrás se exagera, super dimensionam suas capacidades e feitos. O brasileiro é muito deslumbrado que vive a base do blablablabla, retórica, resenha, mas importa tudo. Somos um país das commodities, e só.

      • 02/01/2018  13:59 by BrunoFN Responder

        E-99A E-99B ...etc
        Capacidade de integração n ne um ''lego'' da vida ,desenvolver um projeto n e o mesmo q desenhar num papel qualquer ... e mesmo q tenha vc citado ou desdenhado'' do q hj e a Embraer .. pra Brasil e melhor ter ''isso'' q nada

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.