Governo da Suíça, que é sócio da empresa, pede a suspensão de projeto em Pernambuco para evitar repercussões negativas. Ministério da Defesa ainda não foi oficialmente informado

O ministro Raul Jugmann e o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, assinaram protocolo de intenções com executivos da empresa suíça

Por Paula Pacheco

São Paulo – O Brasil é um país tão violento que está prestes a perder o projeto de uma fábrica de munição. A decisão de suspender e de provavelmente cancelar a construção de uma unidade de produção de munições em Pernambuco foi anunciada na última quinta-feira pelo Conselho Federal da Suíça (o Poder Executivo daquele país) e comunicada à direção da Ruag, multinacional suíça de defesa, do qual o governo é o principal sócio.

Segundo informou o governo da Suíça, contrário à construção da fábrica de munição de baixo calibre, o projeto, conduzido pela subsidiária Ammontec, poderia acarretar em repercussões negativas para a imagem do país europeu e para a própria empresa da qual é sócio.



O anúncio do projeto foi feito em dezembro do ano passado e a expectativa era de que a linha de produção teria capacidade anual para 20 milhões de unidades. Na ocasião, quando foi assinado um protocolo de intenções entre a Ruag Ammontec e o governo pernambucano – com direito a participação do então ministro da Defesa e agora titular da Segurança Nacional, Raul Jungman, também de Pernambuco – falava-se de um investimento de 15 milhões de euros para colocar a unidade em operação e a partir dela fechar contratos tanto na esfera governamental quanto com empresas de segurança do Brasil e até exportar parte da munição para mercados como o americano.

Com o aporte, a multinacional, que também atua no segmento aeronáutico, seria a primeira estrangeira a operar no mercado brasileiro de munição depois de o governo do presidente Michel Temer ter colocado fim ao monopólio brasileiro. A Ruag tem autorização da Comissão de Nacionalização do Exército para operar em território nacional desde maio de 2017.

A decisão do Conselho Federal suíço é uma resposta a dois parlamentares, Priska Seiler e Angelo Barrile (ambos do Partido Socialista), que vinham questionando o projeto. As críticas começaram a se intensificar a partir de abril, quando 16 entidades privadas pediram ao governo da Suíça para enterrar o projeto brasileiro, sensibilizadas pela morte da vereadora Marielle Franco, do Rio de Janeiro. A representante carioca do Psol vinha denunciando o envolvimento de policiais do estado com as milícias enfronhadas nas favelas da cidade.

Procurada pela reportagem, a Ruag confirmou por meio de e-mail ter sido informada sobre a recomendação suíça para suspender o projeto brasileiro, mas foi imprecisa na resposta. “Decisões ou recomendações do governo são, claro, aceitas pela Ruag. Portanto, não podemos dizer mais nada pelo momento”, escreveu Kirsten Hammerich, porta-voz da multinacional, que não disse se de fato o investimento no Brasil deixará de ser feito.

Em declaração publicada em abril passado, a Ruag dava indícios de que poderia não levar em frente a decisão de desembarcar no Brasil. Na ocasião, um porta-voz afirmou que estavam sob avaliação vários cenários, inclusive “se” o investimento seria feito, “como” e “quando”.

No entanto, essa dúvida não era a percepção que se tinha por aqui. Também em abril, o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Raul Henry, disse em um evento que a Ruag havia confirmado que construiria a fábrica de munição. Segundo ele, a produção começaria ainda em 2018, de acordo com o que estava previsto no protocolo de intenções assinado entre as duas partes. Faltaria ainda definir a cidade que abrigaria a unidade fabril. Depois da decisão do governo suíço, a secretaria informou que o governo pernambucano cumpriu o que previa o protocolo de intenções.

Apesar de a decisão do governo suíço ser pública, o governo brasileiro não foi oficialmente informado, seja por meio da Embaixada da Suíça, em Brasília, ou pela Ruag. “Sobre este assunto, informamos que até o momento, o Ministério da Defesa não recebeu qualquer notificação”, disse o departamento de comunicação da pasta. No entanto, não foi explicado se a Defesa pretende buscar detalhes sobre a suspensão do projeto ou se vai esperar por algum comunicado.

FONTE: Estado de Minas


 

6 Comments

 

  1. 11/09/2018  15:37 by Rafael Responder

    Não foi a violência e sim a carga tributaria!

  2. 11/09/2018  11:37 by IBANEZ Responder

    Sério que uma fabrica de munições e o governo de um pais que é um paraíso fiscal estão preocupados com sua imagem devido a violência do Brasil? Seria melhor a empresa mudar de ramo!

  3. 11/09/2018  10:17 by Armando Eisele Responder

    Os bilhões que entram e saem dos bancos Suíços, o dinheiro SUJO, isso sim matam mais que as balas. Contra isso a esquerda socialista de lá não faz nada ? Os PC e sua hipocrisia ....

  4. 11/09/2018  8:28 by Evaldo Nunes Monteiro Responder

    Suíça país vagabundo, que se enriqueceu à custa de lavagem de dinheiro de bandidos, roubou o dinheiro dos Judeus na Segunda Gerra Mundial etc. Continua lavando dinheiro de toda espécie de criminosos vem querer dar lição de moral aqui!

  5. 10/09/2018  23:43 by André Macedo Responder

    Simplesmente abram concorrência para outro, se não querem dinheiro! O Brasil é sim bem violento, mas "manchar a imagem dos suíços"?? Como? Se acontecesse algo à fábrica por causa da violência nós é que ficariamos com a imagem mais manchada ainda, não dá pra entender essa nova onda de governos frouxos europeus, nos EUA se fazem reportagem toda hora sobre armas usadas por assassinos em escolas e nunca "manchou a imagem" de nenhuma delas...

  6. 10/09/2018  21:47 by Beto Santos Responder

    Como sempre um pra ajudar e mil pra estragar, porque em vez de reclamar não foram ajudar a resolver o problema da violência, porque em vez de ir pro exterior pra falar mal do Brasil não foram cobrar e ajudar na política de segurança pública já que são políticos que estão fazendo isso, é mais fácil reclamar e fazer tudo andar pra trás do que ajudar a fazer o que é certo, este tipo de gente tinha que ser eliminada do planeta e como se faz isso, não é com violência e sim com mais educação e conhecimentos pois uma direita sem esquerda não serve pra nada precisamos dos dois lados trabalhando pro mesmo objetivo que é desenvolver o país e seu povo e não trabalhando pra fazer o contrário, isso só mostra que o nível do brasileiro esta indo de mal a pior em todos os segmentos e lados.

Leave a reply

 

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.